Qualidade de Vida Profissional e Literacia em Demências e Cuidados Paliativos dos Ajudantes de Ação Direta em contexto ERPI, na cidade de Vila Nova de Gaia
pdf
XML

Palavras-chave

qualidade de vida profissional
ajudantes ação direta
literacia
demências
cuidados paliativos
estrutura residenciaI para pessoas idosas

Como Citar

Daniela Vieira, Luísa Castro, Ivone Duarte, & Carla Serrão. (2023). Qualidade de Vida Profissional e Literacia em Demências e Cuidados Paliativos dos Ajudantes de Ação Direta em contexto ERPI, na cidade de Vila Nova de Gaia. RIAGE - Revista Ibero-Americana De Gerontologia, 4. https://doi.org/10.61415/riage.112

Resumo

As estruturas residenciais para pessoas idosas constituem-se como uma resposta social de alojamento temporário ou definitivo, que desenvolve um conjunto serviços com vista a responder às diversas necessidades biopsicossociais das pessoas idosas. Têm como objetivo central proporcionar a qualidade de vida e bem-estar das pessoas mais velhas, nomeadamente, daquelas que vivem em situação de doença prolongada, incurável e progressiva. Uma das classes profissionais que intervém no processo cuidativo desenvolvido nas estruturas residenciais, é a ajudante de ação direta que, a par de apoio instrumental, deverá contemplar transversalmente uma ação personalizada e humanizada. Contudo, a exposição permanente ao sofrimento e as exigências de suporte emocional e físico, podem comprometer não apenas a qualidade dos cuidados, mas também a saúde geral da/o ajudante de ação direta. Neste sentido, e dada a escassez de estudos nacionais centrados, particularmente neste grupo profissional, o presente estudo teve um duplo objetivo: avaliar a qualidade de vida profissional; analisar a literacia em saúde sobre demências e cuidados paliativos de uma amostra de ajudantes que presta cuidados em Estruturas Residenciais, do concelho de Vila Nova de Gaia. Trata- se de um estudo transversal, observacional, quantitativo, de natureza analítica. Participaram 70 ajudantes (92.9% do sexo feminino; e com mediana de idades de 49 anos). Os resultados evidenciam que a maioria dos/as participantes apresenta níveis elevados de gratificação e prazer na prestação de cuidados às pessoas idosas. Pese embora apresente níveis moderados de fadiga por compaixão. Em geral a amostra evidencia atitudes positivas face à demência.

https://doi.org/10.61415/riage.112
pdf
XML